01

Eu sou

“As pessoas grandes adoram os números. Quando a gente lhes fala de um novo amigo, elas jamais se informam do essencial. Não perguntam nunca: ‘Qual é o som da sua voz? Quais os brinquedos que prefere? Será que ele coleciona borboletas?’ Mas perguntam: ‘Qual é sua idade? Quantos irmãos tem ele? Quanto pesa? Quanto ganha seu pai?’ Somente então é que elas julgam conhecê-lo. Se dizemos às pessoas grandes: ‘Vi uma bela casa de tijolos cor-de-rosa, gerânios na janela, pombas no telhado…’ elas não conseguem, de modo nenhum, fazer uma idéia da casa. É preciso dizer-lhes: ‘Vi uma casa de seiscentos contos’. Então elas exclamam: ‘Que beleza!’”.

Antoine de Saint-Exupéry

02

Sentidos e memória

“Creio que Baudelaire disse que a pátria é a infância. E me parece difícil escrever algo profundo que não esteja unido de uma maneira aberta ou emaranhada à infância”.

Ernesto Sábato

03

O rio semântico

“O chapéu de coco tornara-se o tema da partitura musical que a vida de Sabina era. Um tema que estava constantemente a repetir-se, mas sempre com uma significação diferente; todas passavam pelo chapéu de coco como a água pelo leito de um rio. E, posso dizê-lo, era bem o leito do rio de Heráclito: Não nos banhamos duas vezes nas águas do mesmo rio! O chapéu de coco era o leito de um rio e o que Sabina via correr era sempre outro rio, outro rio semântico: o mesmo objeto suscitava sempre outra significação, mas nessa significação repercutiam-se (como um eco, como um cortejo de ecos) todas as significações anteriores.”

Milan Kundera

04

O enigma do eu

“Sejamos mais precisos: todos os romances de todos os tempos se voltam para o enigma do eu. Desde que você cria um ser imaginário, um personagem, fica automaticamente confrontado com a questão: o que é o eu? Como o eu pode ser apreendido? É uma dessas questões fundamentais sobre as quais o romance se baseia”.

Milan Kundera

05

As minhas meninas

“Se alguém se propusesse a copiar ‘As meninas’, totalmente com boa fé, ao chegar a certo ponto e se o que as copiasse fosse eu, diria: ‘E se eu colocasse esta um pouquinho mais à direita ou à esquerda? Eu provaria fazê-lo à minha maneira, esquecêndo-me de Velázquez. A prova me levaria, seguramente, a modificar a luz ou a mudá-la, por ter mudado de lugar a algum personagem. Assim, pouco a pouco, eu iria pintando umas meninas que seriam detestáveis para o copista de ofício, mas que seriam as minhas Meninas”.

Pablo Picasso

06

A visitação

"Você tem apenas um 'frame' da imagem em movimento para representar, então qual deles você irá escolher?."

Bill Viola

07

A mãe

“Ela se parecia com a mãe, e não apenas fisicamente. Tenho às vezes a impressão de que sua vida foi um mero prolongamento da vida de sua mãe, da mesma forma que a trajetória de uma bola de bilhar é o prolongamento do gesto executado pelo braço do jogador. Onde e quando tinha nascido esse gesto que mais tarde se tornaria a vida de Tereza?”

Milan Kundera

08

Sonhos e símbolos

"Entre o sono e o sonho,
Entre mim e o que em mim
É o quem eu me suponho,
Corre um rio sem fim"

Fernando Pessoa

09

Universo visual e sonoro

“A paisagem externa, o pitoresquismo de costumes ou linguagens ou trajes, tão essencial em outro tipo de narração, aqui passa a um lugar insignificante; pois não é o propósito que se persegue esse tipo de descrições, e o mundo externo existe quase unicamente em função do drama pessoal, como projeção da subjetividade.”

Ernesto Sábato

10

Composição

“Com o romance, é quase igual: ele também está atravancado pela ‘técnica’, pelas convenções que trabalham em lugar do autor - expor um personagem, descrever um meio, introduzir a ação numa situação histórica, encher o tempo da vida dos personagens com episódios inúteis; cada mudança de cenário exige novas exposições, descrições, explicações. Meu imperativo é ‘janacekiano’: desembaraçar o romance do automatismo da técnica romanesca, do verbalismo romanesco, torná-lo denso”.

Milan Kundera

11

Tema

"O que estamos fazendo como escritores é realmente muito simples. Vamos entrar e encontrar algo em nós mesmos: algo bonito, algo quebrado, uma ferida, um medo, uma pergunta, algo com o qual estamos lutando, algo que não entendemos, um personagem, um relacionamento. Estamos fazendo uma pergunta para nós mesmos no mundo e estamos usando a ficção de nossos personagens para fazer essa pergunta.”

Jacob Krueger

12

Cápsula do tempo

“Veja a si mesmo e a todas as coisas como um momento no tempo. A maneira como o eu se organiza é a forma do mundo inteiro”.

Bill Viola